Blog

Determinando a alimentação adequada para cães

A chegada de um filhote na família é uma alegria e inspira alguns cuidados importantes, entre eles, qual alimentação devemos escolher para atender as necessidades nutricionais de forma adequada, promovendo assim o crescimento saudável desse filhote. Muitos tutores chegam em uma primeira consulta veterinária com muitas dúvidas, principalmente sobre manejo, alimentação e profilaxia, como vacinação e vermifugação. O médico-veterinário deve orientar esse tutor para todos os novos desafios que vem junto com o novo filhote, explicando-lhe sobre a correta profilaxia, o alimento mais indicado para aquele filhote.

Para a escolha do alimento mais adequado, devemos levar em conta as principais características fisiológicas dos filhotes. Entre elas devemos destacar: imaturidade do trato gastrointestinal, desenvolvimento dos sistemas imune, osteomuscular, nervoso e cognitivo, além da dentição que também passa por mudanças nessa fase de vida.

Ao contrário do que se pode achar, a nutrição começa muito antes da ingestão de alimento sólido. Parte fundamental da nutrição do filhote está na fase de aleitamento, onde o trato gastrointestinal do filhote está começando a digerir outros nutrientes além da lactose. Conforme a digestibilidade desses outros nutrientes vai aumentando, inversamente temos a digestibilidade da lactose diminuindo, pois na vida adulta não se tem a necessidade da ingestão de produtos lácteos pois a alimentação dessa fase supre todas as necessidades. Nesse momento, além dos nutrientes, o leite materno irá fornecer os primeiros anticorpos através do colostro para esse filhote, iniciando assim a estimulação do sistema imune desse indivíduo.

Por isso, quando pensamos em necessidade energética, esse valor é em torno de duas vezes maior para filhotes do que um cão adulto da mesma raça. Semelhante a necessidade energética, proteína e gordura também são mais requisitadas nessa fase do que para um cão adulto em manutenção, devido ao fato de tecidos como musculatura esquelética e ossos estarem em desenvolvimento e demandarem altas quantidades de aminoácidos e minerais.  Ainda pensando em proteínas devemos levar em conta a fonte desses nutrientes, avaliando assim se o perfil de aminoácidos e ácidos graxos essenciais são fornecidos por completo, além da sua digestibilidade, sendo esses fatores mais importantes do que a quantidade de proteína oferecida. Ingredientes como carne e fígado de frango, salmão e cordeiro, gorduras de aves, peixe e farinha de algas são excelentes fontes de aminoácidos e ácidos graxos essenciais.

Minerais como cálcio e fósforo também tem um requerimento diferenciado nessa fase de vida, sendo maiores do que em outras fases. A superalimentação pode ocasionar desordens de crescimento e, além do excesso energético, cálcio e fósforo estarão em excesso também, o que pode resultar em problemas esqueléticos como fechamento precoce da linha de crescimento ou calcificação articular, principalmente em cães e raças grandes e gigantes.

Outros ingredientes funcionais como o prebiótico MOS e a farinha de algas, fonte de DHA são importantes e auxiliam no desenvolvimento dos filhotes. O prebiótico MOS auxilia na manutenção da saúde intestinal pois dificulta a fixação de bactérias maléficas no intestino, diminuindo os riscos de desordens gastrointestinais. Além disso, ainda pode estimular a imunidade tanto local quanto geral, auxiliam na perpetuação da saúde como um todo, segundo estudos apontaram. Já o DHA, ácido graxo da família ômega-3, presente principalmente na farinha de algas marinhas, auxilia no desenvolvimento cerebral, melhorando as funções cognitivas e no desenvolvimento da visão, por depósito na retina e por isso deve estar presente na dieta de filhotes.

Outro ponto importante para a nutrição do filhote é o manejo alimentar e a quantidade a ser oferecida. Quantidade controlada baseada geralmente no peso estimado do animal quando adulto e dividida em 2 a 3 refeições por dia estão entre as práticas com melhor sucesso para evitar o sobrepeso juvenil, uma vez que animais que desenvolvem problemas de peso na infância apresentam maiores chances de se tornarem obesos na vida adulta.

A partir desses pontos, o médico-veterinário consegue determinar a dieta mais adequada ao filhote que, quando associada ao manejo alimentar correto, promove um crescimento saudável e aumenta a expectativa de vida dos pets.

Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn
× WhatsApp