Blog

Alimentos para gatos castrados: mudam as necessidades nutricionais?

Os veterinários conhecem a importância da castração dos gatos e orientam os tutores dos inúmeros benefícios na saúde dos gatos relacionados à castração. Entretanto, muitos tutores têm restrições à castração de gatos pois acreditam que existem mais malefícios do que benefícios. Apesar de o veterinário mostrar a importância da castração, surgem muitos questionamentos ao veterinário. Abaixo, destacamos alguns dos mitos e verdades relacionados à castração dos gatos

“Com a castração, meu gato terá mais fome”

É verdade: os gatos castrados aparentam ser incapazes de controlar a quantidade de alimento que ingerem a curto prazo. Observou-se que o aumento da ingestão começa imediatamente após a castração e que tendem a comer todo o alimento que lhes é servido na tigela.

“A castração fará com que o meu gato fique gordinho, ele não tem culpa”.

Apesar de ser verdade que os gatos castrados apresentam uma maior tendência para o aumento de peso, o mesmo é perfeitamente evitável. Intervenções tão simples como servir menos alimento ao gato ou dedicar algum tempo por semana a brincar com ele podem ajudar substancialmente no controle do peso do gato. Outra opção é utilizar brinquedos que promovam a atividade para conseguir o alimento.

“A castração tornará meu gato mais preguiçoso e modificará sua personalidade”

Falso. Não existe nenhum estudo que mostre que os gatos se tornam mais preguiçosos depois da castração. No entanto, verificam-se algumas modificações no seu comportamento que são benéficas para um gato doméstico. Por um lado, diminuem as manifestações sexuais, como a marcação do território com urina, as fugas de casa, lutas, etc. Por outro lado, tornam-se mais tranquilos. Se se estimular a atividade física por meio de brincadeiras, o gato esterilizado irá reagir com mais atividade.

“Os gatos castrados necessitam menos calorias”

Observou-se que os gatos castrados possuem uma menor necessidade de energia, o que implica que para manter o peso ideal o fornecimento energético da dieta deverá ser reduzido. As duas possíveis causas são:

  • Diminuição do índice metabólico
  • Diminuição da atividade física

Tal como foi mencionado anteriormente, podemos suspeitar de uma menor atividade física devida a uma mudança no comportamento sexual e à adaptação à vida no interior. Em relação ao índice metabólico, não existe uma opinião homogênea, sendo que os resultados de vários estudos diferem bastante entre eles. Alguns dados mostram uma diminuição do índice metabólico em repouso de cerca de 30%, enquanto que outros apontam para uma modificação na composição corporal, nomeadamente uma diminuição da massa muscular do gato, o que por sua vez provoca uma diminuição do gasto energético (cerca de 54% do gasto energético deve-se à massa muscular).

A castração provoca certas modificações no metabolismo do gato, mas é possível corrigi-las com intervenções alimentares adequadas a fim de prevenir a obesidade:

– Restrição de energia

É aconselhável restringir a energia entre 14% e 40%. A recomendação mais adequada é a de 50-60 kcal/kg de peso corporal por dia, mas observou-se que menos de 40 kcal/kg de p.c./dia já é suficiente.
No modo de uso da embalagem do alimento para gatos castrados, já está contemplada a menor necessidade energética específica para gatos castrados.

– Não fornecer alimento à vontade

Os gatos castrados são incapazes de controlar a ingestão.

– Mais proteínas e menos gorduras

Melhorar a composição corporal para um peso mínimo.

– Alimento contendo mais fibras

Assim, limita-se o fornecimento energético.

– Estilo de vida saudável

O ideal é que as intervenções dietéticas sejam acompanhadas de um aumento da atividade física. Brincar com eles, estimular o movimento com a finalidade de encontrar comida e potenciar o meio envolvente são as melhores formas de fomentar a atividade física.

Facebook
Google+
Twitter
LinkedIn
× WhatsApp